Brasil

Desembargador pergunta se mulher que denunciou assédio não foi ‘sonsa’

O desembargador do TJ-GO (Tribunal de Justiça de Goiás) Silvânio de Alvarenga questionou durante um julgamento se uma mulher que denunciou ter sido assediada por um pastor não foi “muito sonsa”.

O que aconteceu

“Essa moça mesmo falou que é sonsa, ela mesma usou essa expressão. [Queria perguntar] se ela não foi muito sonsa, no século em que a gente está. É outra dúvida”, diz Alvarenga durante a sessão, que aconteceu no último dia 19.

Magistrado também cita uma suposta “caça aos homens”. “Com esse rigor processual, essa caça às bruxas, caça aos homens, daqui a pouco não vai ter nem encontro. Como você vai ter um relacionamento com uma mulher se não tiver um ataque? Vamos colocar ataque entre aspas”, afirmou.

Alvarenga votou para rejeitar o pedido, mas pediu mais tempo para analisar e pode mudar de opinião na próxima sessão. O placar está empatado por 2 a 2.

Outro desembargador no julgamento disse que denúncias de assédio sexual e racismo são “modismo”. “Eu, particularmente, tenho uma preocupação muito séria com a questão do assédio moral como gênero, sexual, como espécie do gênero, e racismo. Esses dois temas viraram um modismo”, declarou Jeová Sardinha. “É com muita frequência que estão sendo usados e explorados, temos que ter uma certa cautela”.

Sexta Câmara Cível do TJ-GO analisa recurso de uma mulher que diz ter sofrido danos morais de um pastor após denunciar assédio sexual. Ela relatou o que aconteceu nas redes sociais, e disse que teve de trocar de igreja porque outros membros a culparam pela conduta. O processo não julga se houve assédio sexual, o que fica na esfera criminal, só o dano moral.

Delegada do caso, Ministério Público e a juíza do 1º grau consideraram que não houve assédio sexual, pois houve reciprocidade. Pastor pediu telefone da requerente para falar sobre cestas básicas, mas fez chamadas de vídeo mostrando o corpo e pedindo que a mulher se tocasse. A vítima disse ter consentido com parte das ações para produzir provas contra o pastor.

Fonte: Uol

Deixe uma resposta